histórias
relacionadas
  • A formação em Berlim
  • Duas Lillys
todas as histórias

O Instituto Biológico

E O COMBATE CONTRA A BROCA DO CAFÉ

O Instituto Biológico de Defesa Agrícola e Animal foi fundado em 1927 a partir da Comissão para o Estudo e Debelação da Praga Cafeeira, criada para estudar e combater a broca do café.

A small insect, the coffee berry borer, began attacking the crops in the State in the 30s, risking the main product of the country’s economy. The insect would attack the top of the green berry and reproduce in its interior using the pulp as food for its larvae and nymphs. The bag of coffee, which weighed 45 kilos, would go down to 16 kilos and caused enormous loss to producers.

The Instituto Biológico de Defesa Agrícola e Animal (Biological Institute for the Defense of Agriculture and Animals) was founded in São Paulo in December 1927, following the work by the Commission to Study and Fight the Coffee Borer Pest, formed in 1924, to fight the coffee borer. The Institute used many communication and publicity resources, such as films, press, advertisements, and brochures and booklets to disseminate the methods for fighting the pest that affected coffee. The communication material, which included illustrations, was essential to inform producers in the State and the population at large and enabled identifying the pests. They also taught how to use prophylaxis methods and treatments.

Lilly Ebstein Lowenstein (1897-1966) viveu entre a ciência e a arte, desenhando e realizando fotografias nos campos da medicina e da zoologia. Em seu trabalho, Lilly conjugava o conhecimento técnico da fotografia e do desenho, o estudo das ciências e um notável talento estético. Nascida na Alemanha, ela estudou na Escola Lette-Verein em Berlim entre 1911 e 1914. Em 1925 imigrou com o marido e dois filhos para São Paulo. Em 1926, tornou-se desenhista e fotomicrógrafa da Seção de Desenho e Fotografia na Faculdade de Medicina (USP, a partir de 1934), da qual seria chefe por trinta anos a partir 1932. Entre 1930 e 1935 Lilly foi colaboradora do Instituto Biológico de Defesa Agrícola e Animal, principalmente da sua Seção de Ornitopatologia. Uma vida com arte dedicada à pesquisa e difusão da ciência.